Energas na Rede Record > TV Paranaíba

Por Vinícius Lemos

Uma alternativa de geração de energia limpa vem do lixo produzido em Uberlândia. Uma empresa vem investindo cerca de cinco milhões de reais para construção de um modelo de reaproveitamento do gás metano produzido nos aterros sanitários da cidade. A reutilização do metano, vinte uma vezes mais poluente que o gás carbônico, vai gerar 1,4 MW de energia elétrica, o suficiente para alimentar uma população de vinte mil habitantes. A energia será vendida para uma grande empresa da cidade.

Segundo Eduardo Santos, diretor desta empresa, ”Uberlândia tem potencial para que cinco por cento de toda energia consumida na cidade seja obtida através do lixo, pela queima do gás metano. É muita energia e consideramos como uma reciclagem energética, onde um subproduto do lixo, que é o biogás, utilizado e beneficiado em forma energia que será consumida em uma indústria que, por sua vez, substituirá sua matriz energética, composta geralmente por combustíveis fósseis, por essa energia verde”.

O duto que realiza a captação do metano está abaixo da superfície de resíduos aterrados cerca de vinte metros. A partir desse duto o biogás é conduzido para uma subestação, onde é agrupado, e segue para a estação principal, onde será filtrado, queimado e assim, produzida a energia.

O engenheiro eletricista da planta, Arnaldo Benkard, afirma que “o sistema de exaustão é todo calibrado e dimensionado para a redução de gases poluentes na atmosfera. Desta forma, pode-se dizer que a eficiência do sistema é de cem por cento: reduz a emissão do metano diretamente na atmosfera e de efluentes atmosféricos da usina com a utilização de filtros e equipamentos de proteção ambiental.

Este é o quinto projeto no país e o primeiro em uma cidade do interior. Esta é uma parceria público-privada entre a Prefeitura de Uberlândia e uma empresa de capital italiano. A extração do chamado biogás poderá ser feita durante vinte anos, outros dez milhões de reais ainda serão investidos e o espaço de captação será triplicado.

“É um investimento que compensa quando se olha a questão ambiental. Definitivamente, em Uberlândia, lixo não é mais problema”, afirmou Eduardo Santos, diretor da empresa.